Como foi o primeiro Wired Festival em São Paulo

wired

Criada em 1993 na cidade de São Francisco, Estados Unidos, a Wired é uma das revistas mais importantes do mundo sobre tecnologia, ciência, negócios e futuro. Com conteúdos que traduzem e anunciam tendências disruptivas, a publicação traz o que é abordado em suas páginas e portal para festivais ao redor do planeta.

Depois de a primeira edição ter acontecido ano passado no Rio de Janeiro, foi a vez dos paulistanos poderem curtir as conversas e insights curados pelo veículo. Ocorrida nos dias 8 e 9 de junho, a segunda visita em terras brasileiras rolou no rooftop do Instituto Tomie Ohtake com a parceria da WeAr, da jornalista Alexandra Farah, e além das mesas com diversas apresentações também contou com experiências tecnológicas para o público.

Logo na entrada era possível voar de asa-delta em uma experiência de realidade virtual.

Foto: Helena Yoshioka

Ou conhecer a nova bicicleta “gamificada” da Microsoft.

Foto: Helena Yoshioka

Além das interações, havia três salas em que eram discutidos temas distintos.

Na Sala Reverb, palco principal do evento, que recebeu mais de 30 nomes nacionais e internacionais com o objetivo de compartilhar suas visões, experiências e contribuições para o futuro.

Alguns dos destaques foram as palestras dadas por Martin Ford, futurologista e autor do bestseller “O Amanhecer dos Robôs" sobre como os empregos têm que ser revistos, a de Renato Camargo, Head de CRM e Loyalty do Grupo Pão de Açúcar em que ele explicou como a rede mudará a forma de comprar e uma divertida conversa com a influenciadora mirim Valentina Schulz sobre a geração Z.

Reprodução

Na sala Engage se concentraram os workshops em que os inscritos aprenderam a montar um Drone, publicar um livro em Ebook e, também, assistiram especialistas falar sobre como ser produtivo em qualquer ambiente e a melhor forma de usar a tecnologia na sala de aula.

Foto: Helena Yoshioka

Por fim, no auditório Startups foi debatido como esse modelo de negócio está desenhando o futuro do Brasil (e do mundo), como começar uma startup e formas de investimento e consumo de conteúdo nos dias de hoje.

Deixe seu comentário: