Você comeria P_ _ _ CA neste Dia dos Namorados?

das

O Dia dos Namorados é uma data certeira no calendário do marketing. Fácil de se encaixar nos mais diversos recortes de empresas/marcas, de se criar promoções que contemplem um par de apaixonados, ou ainda de se apoiar no romantismo que envolve o período, enfim, o campo de possibilidades é amplo.

Dessa forma, o terreno abre viés para que os criativos possam usar aquela dose de “ousadia e alegria” que vez ou outra as gestões acabam por ter que postergar ou até cancelar, dada a patrulha da “família tradicional brasileira” vigente.

Mas como não aproveitar esse ensejo todo quando sua cliente é uma empresa que trabalha com produtos sensuais? Entrevistamos Bruno Sartori, diretor executivo da Praesto Comunicação. A agência situada em Campo Grande, MS, cuida da comunicação da Boutique Labareda, um estabelecimento que trabalha com produtos eróticos na capital do estado.

A campanha mais recente da marca utiliza o duplo sentido para driblar um pouco do moralismo social e fazer aquele sorrisinho de canto (pelo menos ele, vai) aparecer nos “entendedores” da mensagem.

Para saber um pouco mais sobre a amarração da campanha confira o bate-papo abaixo. 

- De onde partiu a ideia da campanha?

Durante a reunião de briefing da campanha, o cliente fez uma brincadeira a respeito e sugeriu algo com duplo sentido. Gostamos da ideia e desenvolvemos o mote a partir da brincadeira de forca, buscando palavras que dessem duplo sentido sem que [a mensagem final] ficasse agressiva aos olhos do público infantil e apresentamos para o cliente. Como toda a campanha que fizemos na agência é resultado do esforço da agência e do cliente em conjunto.

- Ela acontece no meio offline e online, certo? Neste sentido, há diferença para trabalhar nesses meios? 

O Meio on-line dá mais liberdade pois conseguimos falar com nichos, o off-line alcança o consumidor local. O mais interessante dessa ação foi o buzz criado no meio digital, a partir dos outdoors. Toda a campanha foi desenhada para iniciar com a midia off-line (Outdoor e rádio) e na sequencia desdobrar no on-line, pois também lançamos um site novo para o cliente, mas a viralização dos outdoors antecipou o meio digital.

- Como foi o processo de amarra-la à comunicação da marca "Labareda"?

A marca fez 10 anos esse ano, e sempre trabalhou o dia dos namorados com peças quebrando alguns tabus (Pintinho/Ursinho sadomasoquista, por exemplo). Então a campanha foi desenvolvida obedecendo esse conceito. A linguagem da marca sempre foi questionadora, sempre preocupada em como fazer do mercado de produtos sensuais acessível e sem tabus para o público. A Karina Brum (proprietária da Loja) é sexóloga e atua a frente do negócio, além de atender aos clientes também com cursos voltados para área.

- Como é trabalhar com a marca? Tem mais espaço para ousadia? Pode comentar sobre facilidades e dificuldades?

Atendemos a marca há 6 meses e o cliente é orientado para o marketing, sabe da importância e necessidade da produção de um bom conteúdo e do reflexo que isso traz nas vendas. Tanto os produtos vendidos, como a liberdade que os próprios clientes dão para gente, existe muito espaço para ousadia, dependendo do meio e do veículo.  As facilidades de trabalhar com uma empresa como a Labareda são as possibilidades que temos para alcançar o público e o desafio de fazer essa informação chegar até eles, o que também é uma das dificuldades, pois temos muitas restrições com relação a veículos para divulgar.

- Acha que é possível trabalhar ações mais ousadas com outras marcas? Como?

Hoje todas as marcas e campanhas estão muito mais abertas ao consumidor, de todas as maneiras o que possibilita o julgamento das pessoas. A marca tem que estar preparada para as repercussões que a campanha pode alcançar.

A ousadia pode estar atrelada a uma forma diferente de chegar ao consumidor, de fazê-lo desejar o produto/serviço. As mídias tradicionais (off-line) tem um grande alcance, mas dependem de um consumidor passivo, o digital quebrou esse paradigma, onde as marcas e as pessoas estão dividindo a mesma voz, então ousar nem sempre é afrontar ou questionar, pode ser, ouvir e entender a necessidade que o mercado está falando.

- Encontraram reações negativas?

Após uma "viralização" como essa sempre existem os dois lados. Recebemos reações mas mídias digitais e até por telefone, mas comparado ao alcance podemos dizer que tivemos mais de 90% de aprovação, afinal a identidade da campanha fala sobre comida. A maior preocupação do cliente sempre foi o impacto dos outdoors no público infantil, como a campanha apresenta um layout de jogo de forca é apresenta imagem do produto (Batata e Pipoca) em destaque, as crianças veem o que a imagem realmente retrata, não enxergam o duplo sentido.

- Existem projetos futuros com a marca? 

 A marca está consolidada no mercado local, mas tem sempre como objetivo alcançar um público maior e desmistificar o tabu da busca pelo prazer. Neste momento, a Labareda está entrando realmente no mercado digital, então o foco e levar informação ao público com o site, onde são apresentados os produtos, e por meio do blog de uma forma dinâmica e informativa.  Claro, já estamos pensando na campanha do dia dos namorados de 2019.

 

Deixe seu comentário: