Visa anuncia atletas olímpicos refugiados para completar o Team Visa Rio 2016

Visa anuncia atletas olímpicos refugiados para completar o Team Visa Rio 2016

A equipe completa do Team Visa para os Jogos Olímpicos Rio 2016 é anunciada hoje (20). Com 60 atletas, este é maior grupo de atletas olímpicos e paralímpicos já apoiado pela empresa.  O Team Visa cresceu 62% desde a última edição dos Jogos Olímpicos e traz atletas de 26 esportes, que variam do salto ornamental ao adestramento, e do taekwondo ao tênis de mesa.

Desde o início do programa, em 2000, ele tem como objetivo principal fornecer aos atletas as ferramentas, recursos e apoio que eles necessitam para atingir seu potencial máximo, independente de sua origem ou histórico. Os representantes do Team Visa nos Jogos Olímpicos Rio 2016 são selecionados com base em suas jornadas pessoais até os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, suas conquistas esportivas e envolvimento comunitário. Este ano, a equipe conta com a participação de dez integrantes do primeiro time de Atletas Olímpicos Refugiados do Comitê Olímpico Internacional (COI).

“Os Atletas Olímpicos Refugiados estão inspirando o mundo com suas histórias incríveis de perseverança e coragem, superando grandes dificuldades para chegar ao topo de suas respectivas modalidades e competir na cena mundial", diz Chris Curtin, diretor de marketing e inovação da Visa Inc. “Esses atletas, que entrarão com a bandeira olímpica na Cerimônia de Abertura no Rio, são uma adição poderosa à família do Team Visa, pois cada um deles representa a crença da Visa na aceitação universal, em todos os lugares."

Algum dos atletas que passam a integrar o Team Visa:   

Anjeline Nadai Lohalith (Equipe Olímpica de Refugiados, Atletismo): Lohalith deixou seu lar durante a guerra e, desde o ano passado, integra a Tegla Loroupe Peace Foundation (“TLPF”), onde treina atualmente. Ela disputará a prova dos 1.500 metros rasos.

James Nyang Chiengjiek (Equipe Olímpica de Refugiados, Atletismo): Chiengjiek fugiu para o Campo de Refugiados de Kakuma, no Quênia, em 2002. Mais de 10 anos depois, ele passou a treinar na TLPF e disputará a prova dos 400 metros rasos.

Paulo Amontun Lokoro (Equipe Olímpica de Refugiados, Atletismo): Lokoro fugiu para o Campo de Refugiados de Kakuma, no Quênia, e hoje treina na TLPF, em Nairóbi. Ele disputará a prova dos 1.500 metros rasos.

Popole Misenga (Equipe Olímpica de Refugiados, Judô): Misenga descobriu o judô quando morava em um centro para crianças deslocadas (DRC), em Kishasa. Após o Campeonato Mundial de Judô de 2013, ele se mudou para o Brasil, onde reside e treina atualmente.

Rami Anis (Equipe Olímpica de Refugiados, Natação): Anis e sua família fugiram para a Bélgica para escapar da guerra civil e encontrar um porto seguro para treinar. Ele disputará a prova dos 100 metros nado borboleta.

Rose Nathike Lokonyen (Equipe Olímpica de Refugiados, Atletismo): Lokonyen integra a TLPF e disputará a prova dos 800 metros rasos.

Yiech Pur Biehl (Equipe Olímpica de Refugiados, Atletismo): Biehl chegou ao Campo de Refugiados de Kakuma, no Quênia, em 2005, e passou a fazer parte da TLPF posteriormente. Ele disputará a prova dos 800 metros rasos.

Yolande Bukasa Mabika (Equipe Olímpica de Refugiados, Judô): Mabika começou a praticar judô na infância, quando morava em um centro de refugiados em Kinshasa (DRC). Após o Campeonato Mundial de Judô de 2013, ela se mudou para o Brasil, onde treina e reside atualmente.  

Yonas Kinde (Equipe Olímpica de Refugiados, Atletismo): Kinde é maratonista profissional e corredor de cross country. Ele está treinando em Luxemburgo e disputará a maratona no Rio.  

Deixe seu comentário: