Nivea promete branquear pele negra e é acusada de racismo

Nivea

Com certa recorrência, marcas de beleza são acusadas de racismo. Depois de Dove ser obrigada a pedir desculpas após mais uma polêmica (veja aqui), é a vez da Nivea se ver em maus lençóis. Veiculada na Nigéria, Gana, Camarões e Senegal, uma campanha chocou a África, a Europa e a internet.

No filme, uma mulher negra aparece de toalha e passa com tranquilidade a loção que promete embranquecer a pele, tornando-a, segundo a empresa, “visualmente mais leve”. Confira abaixo o vídeo compartilhado no Instagram da ativista social Munroe Bergdorf:

This is not okay. #Nivea - Perpetuating the notion that fairer skin is more beautiful, more youthful is so damaging and plays into the racist narrative so prevalent in the beauty industry, that whiteness or light skin is the standard that we should all strive for. Advertisers have the power to change this narrative, but campaign after campaign we see it being used worldwide. Making money out of making people hate themselves is never acceptable. Whitening and lightening creams are not only physically damaging, but also ethically wrong. Empowerment is not too much to ask for. ALL black skin is beautiful, no exceptions, so celebrate us as we are instead of asking us to adhere to unattainable and racist ideals.

Uma publicação compartilhada por Munroe Bergdorf (@munroebergdorf) em

Em uma estratégia que não se limitou apenas às peças publicitárias, a companhia também investiu no OOH com outdoors que reforçam o mote da propaganda:

Estarrecida com o caso, a web começa a se pronunciar nas redes sociais. Confira abaixo alguns comentários de usuários gringos no Twitter:


https://twitter.com/search?q=%23nivea&src=typd

E você. O que achou? 

 

Deixe seu comentário: