O poder sem fim de Michelle Pfeiffer

asdas

Os fãs de Jennifer Lawrence vão ter que me desculpar. Ela está ótima em Mãe!, de Darren Aronofsky, que estreou essa semana no cinema e já vem levantando um monte de discussões (eu gosto!). Mas para quem assiste ao filme, a imagem que fica, de estrela dominante, é a de Michelle Pfeiffer. Mesmo nas cenas – ótimas - entre as duas, Michelle é quem brilha. Talvez isso tenha sido uma opção do diretor. Mas é bem provável que simplesmente seja o magnetismo e o talento dessa estrela que foi, e ainda é, uma das mais belas do cinema.

No filme, sem entregar muito para não estragar a interpretação de cada um, Michelle faz a esposa de Ed Harris, que chega à casa do casal Jennifer Lawrence e Javier Bardem, e vai se instalando sem cerimônia. É o início do pesadelo para a personagem principal. Como sempre, com um olhar, um jeito mais sensual, você não consegue tirar os olhos dela. O único porém é que ela aparece muito pouco. Deixa o público querendo mais.

Isso é uma constante na carreira da atriz. Eu separei aqui alguns de seus grandes momentos que podem ser vistos na Netflix. Infelizmente, o meu favorito, Suzie e os Baker Boys, pelo qual ela foi candidata ao Oscar não está disponível, mas se você tem um DVD empoeirado (o filme é de 1989), vale a pena conhecer. Ainda há outros como A Época da Inocência, Frankie e Johnny, O Feitiço de Áquila e Conspiração Tequila. Mas veja outros grandes momentos da atriz, disponíveis no serviço:

Grease 2 (1982)

O filme pode não ser lá essas coisas, mas em seu primeiro papel principal, a Pink Lady Stephanie, ela já era marcante. Os meninos da época não conseguiam esquecê-la cantando Cool Rider.

Scarface (1983)

Só que a grande oportunidade veio mesmo com seu filme seguinte, Scarface, com Al Pacino. E ela quase a perdeu depois que o diretor Brian De Palma soube que Grease 2 havia sido um fracasso. Mas ela fez um novo teste para o diretor e conseguiu o papel que praticamente a colocou em um outro patamar de carreira.

Batman: O Retorno (1992)

Impossível hoje em dia imaginar outra Mulher-Gato. Mas na época, Michelle só conseguiu o papel porque a escolhida Annette Bening havia engravidado. O seu “miau” acabou entrando para a história

Lobo (1994)

Essa versão da história do Lobisomem acabou reunindo Michelle e Jack Nicholson depois de Bruxas de Eastwick. E também foi durante esse filme que ela adotou uma menina, ficou noiva – do produtor e diretor David E. Kelley, com quem está até hoje – e se casou.

Hairspray (2007)

Michelle estava afastada da carreira para se dedicar à família. Mas quando voltou em 2007, fez três filmes de uma vez: Nunca é Tarde para Amar, com Paul Rudd, Stardust: o Mistério da Estrela (também disponível na Netflix) e a versão do musical da Broadway, Hairspray. Ela é a vilã divertida, Velma Von Tussle. Sua interpretação de Miss Baltimore Crabs é inesquecível.

Deixe seu comentário: